Quando vamos comprar alguma coisa, nossos critérios de escolha sempre se dão por valor, e não por preço, ao contrário do que muitos acreditam.

Veja mais

Morava em uma cidade do interior do RJ, onde não havia mágicos que o orientassem nesta escolha, encantava-se com os mágicos que apareciam na televisão e sonhava em se tornar um deles, resolveu gravar todos os programas que passavam na TV.

Veja mais

Acontecerá de 04 a 07 de junho de 2015 a segunda edição da Convenção Nacional de Mágicos em Oz, na cidade de Osasco - SP. Serão 12 conferências nacional e internacional, 3 galas de palco, 1 gala de close-up, workshops, feira dealer e muitas atrações.

Veja mais

“O mágico risóles, na minha opinião, não depende de quanto tempo ele está na mágica, mas depende se ele parou ou se ele continua seguindo. O que eu quero dizer com isso: o mágico coxinha pára no tempo um mágico que não tem avanços, ele não evolui.” diz Baltresca no vídeo.

Veja mais

Método que, sem nenhum aparelho adicional, o mágico faz aparecer e desaparecer objetos na frente dos olhos do espectador.

Veja mais

Misdirecion, este termo é um dos princípios fundamentais da arte mágica e é aplicado em todas as áreas da mágica. Trata-se de atrair a atenção do expectador para o local des

Veja mais

Mentalismo é uma das áreas da mágica onde os mágicos criam efeitos de adivinhar o pensamento do espectador, prever o futuro e entortar metais.

Veja mais

Manipulação é o tipo de mágica que depende extremamente da habilidade manual do mágico. Os efeitos dependem diretamente da destreza do mágico, sendo os aparelhos normalmente não utilizados nesta categoria.

Veja mais

A mágica de salão é geralmente ligada ao humor, onde a apresentação acontece para um grupo médio de 30 a 80 pessoas e que deixa o mágico em uma posição de destaque. São realizados efeitos de maior porte, porém com objetos cotidianos como cordas, tesoura, lenços, caixas de madeira, baralhos, tubos, entre outros.

Veja mais

Mágica de rua, ou street magic, é essencialmente a mágica de close-up, mas nas ruas. Foi popularizada pelo mágico David Blane no final dos anos 90. É uma mágica que lida com o improviso e com plateia observando os passes de todos os ângulos. Por isso, executar este tipo de mágica requer muito treino e conhecimento das técnicas de mágica.

Veja mais

Mágica de imprompt ou de improviso. É a mágica onde o artista cria efeitos mágicos com os objetos e acessórios disponíveis na situação. Neste caso o mágico utiliza os conhecimentos técnicos e seu repertório e improvisa um novo efeito a partir de seu conhecimento.

Veja mais

Existem mágicos que fazem um único e elaborado ato de mágica com duração média de 10 minutos. Na maioria das vezes trata-se de um ato musical aonde o mágico entra no palco e começa produzir efeitos um seguido do outro com uma conexão harmônica entre eles. A música também costuma se desenvolver juntamente com os efeitos.

Veja mais

As grandes ilusões são os efeitos realizados geralmente em teatros, onde através de equipamentos mágicos o artista cria as ilusões que podem ser assistidas por uma grande platéia. Os efeitos de grandes ilusões necessitam de uma estrutura para criar o ilusionismo, como: iluminação, som, efeitos especiais e assistentes.

Veja mais

Gimmick, em português significa artifício ou utensílio. Na arte mágica, são acessórios secretos, não visíveis pelo público, que auxiliam o mágico na realização de alguns efeitos mágicos.

Veja mais

É o ato de criar formas e leques com cartas de um baralho, geralmente em uma rotina musicada apresentada em um palco. Muitos artistas apresentam fazem os floreios para abertura de suas rotinas. Os floreios requerem muita pratica e habilidade com as mãos, além de muitos baralhos.

Veja mais

Close-up é uma nova área do Ilusionismo na qual o mágico deixa de estar em um um palco e vai para perto do espectador. Com objetos pequenos como canetas, moedas, baralhos, bolinhas etc, ele cria um ambiente mágico.

Veja mais